Crônicas de Bebê em Presença: NOEL I

August 16, 2018

 

Lugar de Mãe, Lugar de Pai, Lugar de Filho!

Recebo um casal com seu filho, Noel. O pai chegou a mim pela indicação da terapia Alfacorporal por parte de um amigo que conhece o meu trabalho. Precisa de ajuda porque o seu bebê não dorme, e essa situação está maltratando muito o casal. Os pais se revezam na dura tarefa de fazer o bebê dormir. Noel tanto demora para pegar no sono quanto segue, ao longo da noite, acordando diversas vezes. Ele está com 1 ano.

Chega ressabiado e me seguindo com o olhar. Sempre me impressiona o olhar do bebê e da criança que chega nos ambientes contando tanto sobre eles. Noel gruda no pai, e não é fácil manter qualquer conversa entre os adultos sem que o menininho chacoalhe o ambiente, expressando e imprimindo, em nós, o seu desconforto. Busca o corpo e a atenção do pai.


Ele nasceu com problemas respiratórios e apresentou, para os pais, a realidade de um bebê que nasce com problema. Do nascimento para cá, os problemas respiratórios cessaram, mas a dificuldade para dormir passou a ser o problema de Noel. Segundo o relato dos pais, eles já viveram situação na qual o menininho chorava horas sem parar. Ninguém conseguia descontinuar esse choro. Um choro de sofrimento.

A mãe se queixa que o lugar de mãe está invertido e que o pai ocupa este lugar. Ela também reclama a falta de ficar com o marido, com o amigo, com o amor dela. O pai se espreme no diálogo com a mãe. Espreme-se de fato; o corpo se aperta, a voz abaixa se comparada quando se dirige a mim. Quero dizer que a fala comigo acontece a partir de um tom de voz, de uma posição da cabeça, de um tônus muscular, e com a mulher, de outro jeito. Isso chama a minha atenção. Existe um “cuidado” para dialogar com a mulher/mãe, na minha frente, pelo menos. Um “cuidado” que me desperta algo que ainda não sei o que é.

O Noel só existe incomodando; não sinto a força da atração entre nós. Sinto uma facilidade em ficar às voltas com os pais, eles me atraem. Só não é possível dirigir a minha atenção apenas para os adultos por que o menininho reclama, chora, atravessa. Esse bebê não está conseguindo “reinar” nessa casa! 

Os pais fazem o que devem fazer, loucura isso, fazem muito! Cuidam e não se ocupam de si mesmos. Não deixam o bebê com ninguém. Atendem as necessidades básicas do menininho. É um bebê bem cuidado na dimensão da saúde, mas falta uma condição extremamente importante para a sobrevivência de qualquer bebê, uma condição herdada: a capacidade de atrair. Sabe o bebê que só de estar ali já nos faz rir? Não conheci o Noel aos 3, 4 ou 8 meses, não sei como era. Estou relatando minha percepção atualizada.

Perceber isso me assusta, e quase entro no campo com a família. Percebo que passo a dar atenção para o menininho, me obrigo a tentar encontrar um ponto de atração, como se fosse errado e feio da minha parte seguir desinteressada por ele. Pronto, agora ele ganhou a minha atenção, porém uma atenção forçada e não espontânea. Eu me regulo. Fico mais atenta e cuido da situação me afastando de todos eles; deixo os acontecimentos seguirem sem nenhuma ação minha, fico só observando a cena. Como eles estão escravizados e infelizes? Para quê tanta atenção com as birrinhas do filho? E o Noel, do seu modo, disputa a atenção com todos. Não deixa nada acontecer sem que ele faça parte. 

À medida que a pressão vai aumentando no ambiente, o menininho busca mais e mais o pai.

 

Olho para a mãe e vou enxergando uma mulher esvaziada e incapaz de conseguir a atenção do filho e do marido. Muito, muito solitária! Nesse momento, ela desiste. E é, também, nesse momento que resolvo ficar com ela. 

Mostro para ela e para o marido como ela está sozinha. Acolho a sua dor de relativo abandono. Ela chora e o marido se posiciona ao lado dela. O menininho vai junto com o pai e se aproxima da mãe, sente a tristeza da mãe. Pode chegar mais perto da mãe. Eles ficam juntos! 

Começamos!

Please reload

Recent Posts

March 25, 2019

Please reload

Archive

Please reload

Tags

Please reload

 Corpo Intenção Fisioterapia RE-8747-SP

Rua Sergipe, 441, cj.82 - Higienópolis - 01243.001 - São Paulo - SP

metodocorpointencao@gmail.com

Tel.:(11) 3663-5000

©2018 by Corpo Intenção. Proudly created by Paulo Thiago e Natalie Calderini